Cartaz de divulgação do Aprofundamento Teologia do Corpo, que acontece neste final de semana na Canção Nova / Arte: Canção Nova

No próximo final de semana acontecerá na Chácara de Santa Cruz, sede da Canção Nova, em Cachoeira Paulista (SP), o Aprofundamento Teologia do Corpo. As catequeses de São João Paulo II serão abordadas à luz da Encíclica Humanae Vitae, que completa 50 anos em 2018. O tema do evento é “Pelo fato do verbo ter encarnado, o corpo entrou, eu diria, pela porta principal, na Teologia”(TdC 23). Estarão presentes no evento, o bispo de Camaçari (BA) e membro da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da CNBB, Dom João Carlos Petrini, e o vice-Presidente do Pontifício Instituto Teológico João Paulo II para as ciências do Matrimônio e da Família, Dom Giancarlo Petrini. Dom Petrini define Teologia do Corpo como uma nova teologia, uma nova orientação que corrige duas distorções a respeito do corpo humano: uma distorção antiga que desprezava o corpo, desconfiando que fosse o lugar do pecado, do mal; E uma outra distorção atual, que exalta o corpo humano e o cultua, como se tudo se reduzisse às possibilidades que o corpo oferece, e como instrumento de trabalho e de lazer. “Para a Teologia do Corpo, o corpo humano tem um significado muito maior, o corpo fala de Deus, o Criador, fala do homem e da mulher e da sua vocação ao amor. O Corpo indica um caminho para a felicidade e para a realização humana, o caminho do amor entendido e vivido como Dom de si, para o bem e a felicidade do outro. O corpo fala do mistério da vida que é gerada pelo encontro do amor de corpos humanos, pelo poder de Deus”, salienta Dom Petrini. As catequeses do Papa João Paulo II, que inspiraram o que conhecemos hoje por Teologia do Corpo, aconteceram de 05 de setembro de 1979 a 28 de novembro de 1984, e traziam todas essas temáticas. Padre Rafael Solano é doutor em Teologia Moral e pós-doutor em Teologia Moral e Familiar, e será um dos pregadores do evento. Ele lembra que João Paulo II sabia muito bem que desvendar o mistério de Cristo nos levaria a desvendar o mistério do homem. “A sua primeira encíclica Redemptor Hominis mostra claramente o pensamento do Papa João Paulo II. Ao longo de quase três anos o Papa apresentou a grandeza de uma antropologia, além de sólida, muito dialogal. Para entender a Teologia do Corpo, nós temos que entrar no caminho dialogal da Antropologia Cristã. João Paulo II sentia a necessidade de plasmar no coração da Igreja uma reflexão sobre o corpo”, afirma o sacerdote. Padre Solano lembra que para se entender a Teologia do Corpo, deve-se ter em mente o jovem professor, depois o bispo auxiliar de Cracóvia, e por último, o Pontífice de Roma: “O trabalho que João Paulo II desenvolveu com os casais foi algo fenomenal. A Pastoral Familiar está na veia, no DNA de João Paulo II. Ele viveu o regime totalitarista do comunismo na Polônia, e sabia que tirar a liberdade da expressão do amor é acabar com a pessoa humana.”

Desafios

Dom Petrini ressalta a importância deste evento, que busca formar os cristãos para que entendam melhor o caminho da felicidade e da realização, o caminho pelo qual homens e mulheres podem encontrar-se para viver uma grandeza humana, e não só um caminho mesquinho de egoísmo. “Hoje há essa situação estranha. Há quem cuide demais do corpo, escolhendo alimentos que tenham características especiais, cirurgias, treinamentos. Outros o maltratam, há adolescentes que ficam retalhando o próprio corpo. Há uma maneira empobrecida de relacionar-se com o próprio corpo e com o corpo das outras pessoas. E há muitos que veem o corpo somente como instrumento de trabalho e de prazer.” Estas formas de significação do corpo humano levam a vários desafios, que a Igreja precisa enfrentar. O bispo elenca o individualismo e o fechamento das pessoas, como as principais dificuldades de se entender a Teologia do Corpo: “Certamente o mais forte é o individualismo, mas também a maneira utilitarista de viver, pela qual as pessoas só se dedicam ao que traz vantagem. Isso leva a não respeitar a outra pessoa. Também o fechamento para entender que a nossa realidade humana tem uma abertura para o Mistério, como um cordão umbilical para Aquele que está na verdadeira origem humana. Nossos pais foram somente o canal para que nós acontecêssemos.” Para padre Rafael Solano, a humanidade vive no século XXI a maior crise da pessoa humana. Ele cita, por exemplo, a implacável maneira como no Brasil está sendo apresentada a Ideologia de Gênero, e afirma que a dignidade da pessoa humana está sendo diminuída. O sacerdote faz um paralelo entre a Teologia do Corpo e a Humanae Vitae, que também será abordada no evento: “Os cristãos não podem ficar calados. Se nós Igreja, sociedade, estivéssemos olhado para a grandeza que tivemos em 68, não estaríamos pagando as consequências. A Humanae Vitae é um documento profético, e foi daquelas profecias que ninguém quis ouvir. Então estamos vivendo muitos dramas que poderiam ter sido evitados se tivéssemos colocado em prática a profecia de Paulo VI e daquela maravilhosa equipe em volta da Humanae Vitae. A vida humana está sendo completamente questionada hoje. E o nosso aprofundamento é um belo momento para redescobrirmos a grandeza da evangelização, da sexualidade, da corporeidade.”

Comments are closed.