Solenidade de São José No dia 19 de Março a Igreja celebra a solenidade de São José, esposo da Virgem Maria. Ele que, pela fé, mereceu ser o guardião da promessa realizada no mistério da salvação é figura fundamental no plano de amor do Pai, sendo sinal privilegiado da paternidade de Deus. Também é modelo de apostolado leigo para os nossos dias. Grande e querido santo, tão venerado pela nossa Igreja é exemplo de fidelidade, de justiça, de obediência à vontade de Deus, de zelo e corresponsabilidade no plano de salvação, é modelo de comprometimento para os cristãos leigos e leigas chamados a serem “Igreja em saída a serviço do Reino”. O nome José, em hebraico, significa: "Deus cumula de bens" e, sem dúvida, este conhecido carpinteiro de Nazaré, foi cumulado de bens ao assumir a missão de esposo da Virgem Maria e de pai adotivo de Nosso Senhor Jesus Cristo: "Ao despertar, José fez o que o Anjo do Senhor lhe dissera: acolheu em sua casa Maria, sua esposa". (Mt 1,24). Também os cristãos leigos e leigas, pelo sacramento do Batismo, são cumulados da graça divina, para assumir com alegria e coragem a missão de ser no mundo, na sociedade, na comunidade e na família, sal e luz, pois pertencem ao Corpo de Cristo, a Igreja e como membros desse Corpo, devem atuar com amor incansável no anúncio e testemunho da Boa Nova de Salvação, como o fez São José. Nossa devoção para com São José está fundamentada nas Sagradas Escrituras e na Sagrada Tradição. É justo que São José seja reconhecido e invocado como modelo de pai, operário, patrono das vocações, protetor da Sagrada Família e da grande família de Deus, que é a Igreja. Homem justo, casto, trabalhador, silencioso e cheio de fé, elo entre o Antigo e o Novo Testamento, José amou, acreditou, confiou em Deus com toda sua esperança. Fixemos o coração nas virtudes de São José, e como cristãos leigos e leigas aprendamos a viver com justiça, comprometidos com a Verdade que liberta, como verdadeiros sujeitos eclesiais. “Ser sujeito eclesial significa ser maduro na fé, testemunhar amor à Igreja, servir os irmãos e irmãs, permanecer no seguimento de Jesus, na escuta obediente à inspiração do Espírito Santo e ter coragem, criatividade e ousadia para dar testemunho de Cristo.” (CNBB, doc. 105, n.119) Cristãos leigos e leigas, sal da terra e luz do mundo, como São José, trabalham pela realização do Reino de Deus, caminham na fé e na esperança mesmo em meio às tribulações da vida. José também enfrentou dificuldades na missão, mas acreditou, obedeceu, foi fiel. Como leigo seguidor de Cristo, abraçou a missão de chefe da família da Nazaré e dela cuidou com amor paternal. Iniciou o Menino Jesus na vivência religiosa e o educou com a ternura e o cuidado do pai zeloso.  Também os cristãos leigos e leigas devem assumir com alegria e dedicação o cuidado da família e a transmissão da fé aos filhos em sintonia com o plano de Deus. “Os cristãos leigos e leigas, são chamados antes de tudo à santidade, São interpelados a viver a santidade no mundo e para isso devem cultivar com solicitude a vida interior e a relação pessoal com Cristo, de modo que tudo façam para a glória de Deus, a salvação do mundo e o bem de todos” (cf. CNBB Doc 105, n.116). São José, o primeiro leigo da Igreja é exemplo de santidade no cotidiano, na vida familiar, profissional e social. Os santos movem o mundo. Sigamos seu exemplo: percorramos o caminho de santidade como São José, com coragem, simplicidade e fidelidade. “Ó Deus de bondade, assim como São José se consagrou ao serviço do vosso Filho, nascido da Virgem Maria, fazei que também os fiéis cristãos leigos e leigas O sirvam de coração puro e sejam em Cristo, sal da terra e luz do mundo. Amém”. Pe. André Gustavo de Sousa Coordenador de Pastoral da Arquidiocese de Aparecida

Comments are closed.